AO BRASIL, UM POEMA

Bandeira-do-brasil

Nesse instante, a energia criadora dos Universos lava o ar e a terra do Rio de Janeiro.
Dando a sensação de que está lavando o Brasil inteiro.
Com a chuva, escorre o desânimo, a revolta, a tristeza.
Entre as gotas que margeiam as ruas, se fragmentam a desesperança, a raiva, a dor.
Do Rio ao Brasil: os momentos que parecem mais difíceis são os momentos em que estamos aprendendo a ser felizes.
É hora de reconstruir;
É hora de ter a certeza de que tudo que está chegando é muito melhor.
As águas limpam os pontos escurecidos de nossos átomos,
As benditas águas clareiam e nos renovam:
Vamos encher nossos peitos com a força dos ventos;
Vamos acender a coragem de sermos amorosos conosco mesmos.
Iluminar cada linha de energia que passa por dentro e por fora de nós.
Cada um, iluminando, será capaz de iluminar toda cidade,
Todo país.
O líquido escorre, intermitente,
E os pássaros, abrigados, sorriem.
Lá no fundo sabem que, depois de cada tempestade, o horizonte fica desanuviado.
E, diante do novo céu, conseguimos enxergar,
Finalmente,
Que nos domando, nos modificando,
Transformamos o Brasil.

PODEROSA TERAPIA COM LINDAS PALAVRAS DE ‘TODA A GENTE’

Essa expressão lusitana é perfeita para definir “Rosa do Mundo – 2001 Poemas Para o Futuro”. O livro de 2 mil páginas traz 2001 poemas de autores de todo o planeta, desde os que viveram em civilizações remotas até os nascidos em 1945. E por quê conversar sobre ele 14 anos depois de seu lançamento? Porque é como se fosse inédito. É monumental, mas é pouquíssimo conhecido.

No primeiro post deste Blog falei sobre o ‘herói dos editores’, Manuel Hermínio Monteiro. Ele comandava a lisboeta Editora Assírio & Alvim e ganhava dinheiro publicando o que há de melhor na Literatura. Hermínio, como o chamávamos, conseguiu a façanha de publicar o maior compêndio mundial de poesia uns meses antes de virar uma estrela. Deixou-nos uma herança fantástica.

“Rosa do Mundo” é a poesia contando a história do mundo. Vocês conhecem o Mito da Criação do milenar grupo pastoral Fulani que habita o oeste da África? Nos tempos em que esse poema foi feito nem existiam fronteiras naquele continente. É o primeiro do livro: “No princípio existia uma enorme gota de leite./ Então chegou Doondari e criou a pedra./ A pedra criou o ferro;/E o ferro criou o fogo;/E o fogo criou a água;/E a água criou o ar./…”

“Rosa do Mundo” é uma corrente de poemas que, magicamente encadeados, traz alívio às angústias, às tristezas… De alguma forma, explica como e porque viemos parar aqui no meio da imensidão do Universo.

NebulosaFoto

“Há muitos e muitos milhares de anos, a poesia aproximou-se do homem e tão próximos ficaram, que ela se instalou no seu coração.” (Manuel Hermínio Monteiro)