TERAPIA DAS NOSSAS DIFERENÇAS

Monica T Maia

 

Estamos em terapia. Sempre.

Somos seres incompletos de nós mesmos. Ainda vivemos em um mundo de competições, conflitos, confrontos.

Ainda temos dificuldades gigantescas de ligar-nos uns aos outros, mesmo estando aprendendo que somos – e sempre seremos – diferentes uns dos outros.

Monica T Maia Foto1

DESEJOS DE FUTURO DE TODOS NÓS (3ª história: “O filho”)

005

“Qual é a mãe que quer que o filho saia de perto de si?” Essa indagação foi a mais difícil de vivenciar desde que nasci. Quando a vi no belo blog de Sílvia Souza (http://reflexoeseangustias.com) toda a memória recente de me separar do meu único filho veio à tona. Nossa, como nós, mães, somos egoístas! Sim, queremos as nossas crias assim, sempre grudadas, como se elas nos pertencessem. Tentamos controlá-las para que não partam, para que se apeguem a nós de uma forma indelével, doentia mesmo!

Temos a vã ilusão de que “se nasceu de nós é nosso”. E aí passamos a amá-los de forma torta. Pouca disciplina e muitos desejos satisfeitos, como se isso nos tornasse a pessoa “mais legal do mundo” e os fizesse querer ficar imantados a nós indefinidamente…

Devolvo a palavra à Sílvia (http://reflexoeseangustias.com/2015/12/08/2816/):

“Se eu o amo tanto, eu quero que ele ganhe o mundo, viaje, conheça, pesquise, encante-se, emocione-se, ria e chore, viva o que houver de vida para viver”.

Só que, até certo tempo, fiz exatamente o contrário. Fiquei puxando-o para junto de mim até a corda praticamente arrebentar. Foi extremamente doloroso para ele e para mim. Sempre fomos parceiros, mesmo nos momentos em que nos desentendíamos. Ficar longe fisicamente, para mim, doeu no mais fundo da alma. Porque o amo profundamente, muito mais do que tudo. Mas, também, porque significava perder o controle.

Hoje moramos em cidades diferentes. O amor que sinto só aumenta, a cada segundo do dia. Só que o homem que ele se tornou na minha ausência deixa-me encantada quando nos encontramos. Ou quando falamos pelo telefone ou pelo computador ou energeticamente.

Meu lindo filho cresceu e está vivendo do jeito que acha melhor. E ninguém melhor do que ele para fazer suas próprias escolhas e traçar o seu destino. Tudo está em suas mãos. Como disse Sílvia, eu estarei aqui, sempre, todas as vezes que ele precisar, imaginar, sonhar. Meu apoio é incondicional. Meu amor atravessa todos os universos.

Ele me ensina, a cada dia, a amar mais as pessoas que cruzam o meu caminho. Por toda a vida ou por segundos.

Ele me ensina a perder preconceitos, a perdoar, a encostar a cabeça no ombro com delicadeza.

Ele começou a me ensinar isso no dia de seu nascimento. Ali tornei-me outra pessoa. E, cotidianamente, vou tornando-me outra pessoa, aprendendo que a maior companhia do amor é a liberdade de si mesmo.

Meu filho ensina-me que o futuro vai sendo construído. Com pedaços de mal-entendidos, com pedaços de flores, de brisas, de açúcar.

O seu futuro, o meu futuro. Qualquer futuro é de cada um de nós e dos amores – gigantescos – que sentimos.

TODOS SOMOS O MESMO

YingYang +1

Uma amiga querida, a jornalista Daniela Schubnel, postou no face que todo brasileiro tem um imigrante estrangeiro como ancestral. E fiquei pensando: acho que todos nós somos misturados de algum jeito.

Nunca conheci alguém nem no Brasil, nem em qualquer outro lugar, que não tivesse pelo menos uma misturinha qualquer. Negros com um tataravô branco. Brancos com um bisavô índio. Índios com um tetravô viking. Amarelos com uma avó cabocla… Você já conheceu alguém que tivesse atravessado séculos de gerações e fosse integralmente de uma única raça? Acho que o planeta inteiro é misturado de alguma maneira.

É impossível ser de uma única raça. Exatamente porque todos nós somos completamente diferentes uns dos outros. E sentimos atrações completamente diferentes uns pelos outros.O Yin e o Yang – eles se atraem para se completar.

Sim, temos atração ou repulsão pelo diferente. E é isso que nos dá a ilusão de que o outro tem outra cor. O outro tem outra energia. Cada um de nós vibra numa frequência diferente. Todos somos das sete cores do arco-íris. Só que o meu laranja vibra diferente do laranja do vizinho. O meu azul é inigualável, como o azul do outro.

Todos somos prótons, elétrons e nêutrons.
Todos somos átomos.
Todos somos energia.

YinYang +2

Criaram muitas ilusões para nos separar. Colocaram-nos uns contra os outros para que meia dúzia de seres reinasse.

Está na hora de reatar os nossos laços originais. De sintonizar as nossas frequências e as nossas cores reais.

Está na hora de olhar nos olhos do outro e dizer: “Você sou eu”.

Todos nós somos a mesma raça.
Todos nós somos homem.
Todos nós somos mulher.
Todos nós somos crianças, adultos, velhos.

Todos nós, na verdade, somos o mesmo.

YinYang+3