O FUTURO QUE VOCÊ SEMPRE QUIS

Não se controla o futuro.
Podemos planejar, criar metas, nos esforçamos para alcançar objetivos, fazer tudo direitinho como está nos manuais. Mas, nada disso será esteio suficiente nos momentos difíceis se você não tiver a consciência de que o futuro só pertence a ele mesmo. E ele é temperamental e volúvel. Pode se modificar a qualquer instante numa fração de segundos.

Não se deposita o futuro nas mãos de seja quem for. O futuro é uma incógnita e é somente seu, por maior que seja o número de pessoas envolvidas na sua vida. Elas podem até apoiá-lo, dar-lhe carinho e compreensão, mas o seu futuro, aquele que preenche a alma, apenas você mesmo pode estabelecer.

Você é o seu passado, presente e futuro. E eles são inigualáveis: nenhum passado é nem semelhante ao seu, nem o presente, muito menos o futuro.

99% das angústias, medos, depressões, advêm de um futuro imaginário que o ser não acredita que conquistará. Ou da crença de que só aquele futuro longínquo e sem a menor sintonia com ele trará felicidade. Quantas ilusões se edificam em nossas mentes, como se disso dependêssemos para continuar respirando? Quanta energia desperdiçamos por desejarmos o que não está realmente gravado em nossos corações?

Nos atendimentos como terapeuta assisto, muitas vezes, o desejo biológico se sobrepor às necessidades energéticas. É como se os nossos átomos estivessem correndo como um rio plácido em direção ao nascer do Sol e nós, imprevidentes, insistíssemos em dar braçadas contra a correnteza rumo à noite mais escura.

Em busca de uma segurança fictícia, tentamos chegar ao futuro pelo poder, pelo controle – magoando sempre a nós mesmos, ainda que pensando que estamos só magoando o outro.

A real segurança é descobrirmos que não há nada permanente, não há nada sólido.
Se tudo é energia – átomos agrupados – então, o futuro real é ser estrela, livre; e não um personagem de um teatro cristalizado.

Que tal entregar nossas máscaras aos Universos?

Uma poupançazinha em qualquer situação é sempre bem-vinda. Vale guardar moedas para um tempo mais dispendioso.
Isso é o que podemos organizar.
O resto do futuro está entregue.
Desde o primeiro instante em que respiramos.

Deixe o futuro seguir, tratando-o, e a si mesmo, com Amor.
E tudo virá.
Até o futuro que você sempre quis.

(E que, de alguma maneira, você já passou no oceano do tempo:)

PODEROSA TERAPIA COM LINDAS PALAVRAS DE ‘TODA A GENTE’

Essa expressão lusitana é perfeita para definir “Rosa do Mundo – 2001 Poemas Para o Futuro”. O livro de 2 mil páginas traz 2001 poemas de autores de todo o planeta, desde os que viveram em civilizações remotas até os nascidos em 1945. E por quê conversar sobre ele 14 anos depois de seu lançamento? Porque é como se fosse inédito. É monumental, mas é pouquíssimo conhecido.

No primeiro post deste Blog falei sobre o ‘herói dos editores’, Manuel Hermínio Monteiro. Ele comandava a lisboeta Editora Assírio & Alvim e ganhava dinheiro publicando o que há de melhor na Literatura. Hermínio, como o chamávamos, conseguiu a façanha de publicar o maior compêndio mundial de poesia uns meses antes de virar uma estrela. Deixou-nos uma herança fantástica.

“Rosa do Mundo” é a poesia contando a história do mundo. Vocês conhecem o Mito da Criação do milenar grupo pastoral Fulani que habita o oeste da África? Nos tempos em que esse poema foi feito nem existiam fronteiras naquele continente. É o primeiro do livro: “No princípio existia uma enorme gota de leite./ Então chegou Doondari e criou a pedra./ A pedra criou o ferro;/E o ferro criou o fogo;/E o fogo criou a água;/E a água criou o ar./…”

“Rosa do Mundo” é uma corrente de poemas que, magicamente encadeados, traz alívio às angústias, às tristezas… De alguma forma, explica como e porque viemos parar aqui no meio da imensidão do Universo.

NebulosaFoto

“Há muitos e muitos milhares de anos, a poesia aproximou-se do homem e tão próximos ficaram, que ela se instalou no seu coração.” (Manuel Hermínio Monteiro)