MARIANA OU PARIS? A DOR É A MESMA…

Teoria das Cordas

Morte é morte. De qualquer jeito, dói.

Em Mariana, Minas Gerais, Brasil, América do Sul, ou em Paris, França, Europa, a morte e a dor são as mesmas.

Dói do mesmo jeito porque foram mortes provocadas.
Em Paris, provocadas por atos terroristas meticulosamente planejados. Em Mariana, por omissão de autoridades e empresas. Nas duas cidades, por absoluto descaso por vidas humanas.

Todas as mortes ocorreram num mesmo solo, o do planeta Terra.

E, de acordo com a Teoria das Cordas – o debate mais avançado da Física -, toda a matéria é composta de infinitesimais e milhões e bilhões e trilhões (etc.) de cordas energéticas, interligadas umas às outras. Ou seja, cada um de nós, formado por prótons, elétrons e neutrons, é um feixe amplo de cordas que se liga às cordas da mãe, do pai, do amigo, do vizinho, ao desconhecido… Cordas ligam os seres humanos de Mariana aos de Paris, e vice-versa.
Quando uma só corda vibra diferente, repercute por toda a rede, por todo o planeta.

Então, a dor é uma só numa Terra que é de todos.

O trabalho agora é reequilibrar a rede energética inteira para que não ocorram reações que, também, reverberarão em todos nós.

O trabalho agora é o de acalmar os corações, fazendo de qualquer dor a dor de todos nós.

9 comentários sobre “MARIANA OU PARIS? A DOR É A MESMA…

  1. O difícil é conseguir manter a paz enquanto todos estão com medo do que poderá acontecer. Uma coisa é a pessoa assistir de longe, outra é a pessoa ver diariamente que uma guerra ainda pode acontecer, uma guerra que pode ser a nossa morte. Numa situação dessas é complicado lidar, temos que pensar realmente muito positivo e mudar nossas pequenas atitudes.
    Um abraço!

    Curtido por 1 pessoa

    • Bruna, envio um texto do educador Rudolf Steiner. Pode ajudar:

      “Nego-me a me submeter ao medo, que me tira a alegria de minha liberdade, que não me deixa arriscar nada, que me torna pequeno e mesquinho, que me amarra, que não me deixa ser direto e franco, que me persegue, que ocupa negativamente minha imaginação, que sempre pinta visões sombrias.
      No entanto, não quero levantar barricadas por medo do medo. Eu quero viver, e não quero encerrar-me.
      Não quero ser amigável por ter medo de ser sincero, Quero pisar firme porque estou seguro e não para encobrir meu medo.
      E, quando me calo, quero fazê-lo por amor, e não por temer as consequências de minhas palavras.
      Não quero acreditar em algo só pelo medo de não acreditar. Não quero filosofar por medo que algo possa atingir-me de perto. Não quero dobrar-me só porque tenho medo de não ser amável.
      Não quero impor algo aos outros pelo medo de que possam impor algo a mim. Por medo de errar, não quero tornar-me inativo.
      Não quero fugir de volta para o velho, o inaceitável, por medo de não me sentir seguro no novo. Não quero fazer-me de importante porque tenho medo de ser ignorado.
      Por convicção e amor, quero fazer o que faço e deixar de fazer o que deixo de fazer.
      Do medo quero arrancar o domínio e dá-lo ao amor.
      E quero crer no reino que existe em mim.”

      Tenho lido, fechado os olhos e tentado internalizar alegrias em meu coração, ao som de boa música bem baixinha. Depois tento enviar essas alegrias para os lugares onde há tristeza e conflito. Foi a maneira que encontrei pela Paz.

      Curtido por 3 pessoas

  2. Bela reflexão!!! Precisamos nos unir numa só oração pela paz mundial. Devemos interceder a Deus por aqueles que só pensam em guerra, para que, possam deixar fluir o amor em seus corações. Somente o amor pode mudar todo esse contexto. Seus textos são fantásticos minha querida Monica. Um abraço com saudades!!!
    Lulu.

    Curtido por 1 pessoa

    • Alguém, lá atrás, que queria controlar a sua comunidade, disse a duas pessoas: ‘Ei, o seu Deus é um’. E, virando para o outro disse que ‘o seu Deus é outro”. E aquelas pessoas, iludidas, acreditaram. E essa divisão foi se espalhando pelo planeta. E milhares de homens e mulheres passaram a acreditar que Deus pode ser dois, que há um Deus diferente do outro. Mesmo nesses tempos de Física Quântica, quando os cientistas mapeiam energias criadoras do Universo, multidões ainda acreditam nisso e se maltratam, se ferem, se matam. Enquanto isso, uns poucos seres ficam cada vez mais ricos, egoístas, orgulhosos, pretensiosos etc. etc. etc…

      Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s